Conheça o instituto

O Instituto Mario Schenberg é movido por uma paixão inabalável :

Integrar ciência, pesquisa e cidadania para fortalecer a capacidade do Brasil de enfrentar seus desafios mais complexos.

objetivo

Difundir e aplicar conhecimentos científicos e tecnológicos para encontrar soluções práticas e transformadoras, capazes de melhorar a vida dos brasileiros!

manifesto e texto de fundação

Mário Schenberg uma vez me disse que a nossa maior riqueza são nossas dificuldades, nossas carências. Elas são o estímulo para fazermos algo.

Paulo Mendes da Rocha

    Mário Schenberg nos inspira ao indicar que os caminhos estão no reconhecimento dos nossos limites. Ao reunir os predicados de notório cientista, contribuiu para enormes avanços no entendimento da física, como cidadão, interveio nos embates políticos da sociedade brasileira. Compartilhamos a missão de defender os valores científicos em todas as frentes.

    Esse manifesto dá origem ao Instituto Mário Schenberg, que integra ciência, pesquisa e cidadania. Buscará, dessa forma, fortalecer a capacidade do país de produzir e aplicar políticas públicas adequadas para os distintos desafios apresentados à realidade do povo brasileiro. Para isso, o Instituto Mário Schenberg desenvolverá ações de difusão, informação, educação, divulgação e aplicação científicas e tecnológicas, priorizando a produção dos pesquisadores e educadores brasileiros. A partir de uma maior compreensão sobre os problemas enfrentados pelo nosso país, prospectar soluções práticas para estes mesmos problemas.

Neste momento da história do país, no qual o conhecimento metódico, rigoroso, produzido pelas ciências é vilipendiado. Nossas melhores instituições de ensino e pesquisa atacadas, a educação pública desmantelada. Seus quadros técnicos, são alvo de calúnias, boicotes e linchamentos morais.

Conhecer é um direito básico dos cidadãos. Conhecer seus direitos e seu direito ao conhecimento é um direito também. Inspirados nisso, os fundadores do Instituto Mário Schenberg se propõem à luta por uma abordagem democrática das ciências, ciências de todos para todos, estabelecendo o diálogo entre quem as cria, estuda, cultiva e reproduz.

O fazer científico está nas universidades, nas salas de aula, na educação básica e em outros espaços educacionais. Está na comunicação de ciência e no interesse cotidiano. Queremos fortalecer a comunicação de ciência, contrapondo à tradição elitista de cultivo de um conhecimento fechado em si e de propaganda entre seus pares, para compor a vida dos cidadãos.

O método científico é ferramenta mental que deve estar disponível a todas e a todos. Estimula a curiosidade, a criatividade e a participação popular no conhecimento de seus processos. Soberania científica e tecnológica em benefício do desenvolvimento humano sustentável, em esfera regional e nacional, só são viáveis com projetos científicos, acessível e compreensível pela população.

A ciência deve participar ativamente dos processos de análise e proposição para enfrentar os temas cruciais para a sociedade e a cultura do Brasil. Decisões devem ser tomadas quanto às mudanças climáticas, à preservação da biodiversidade, aos currículos escolares, ao desenvolvimento da capacidade produtiva do país, à prevenção de doenças e pandemias. Conhecer o sentido entre as ciências e o exercício dos direitos de cidadania para agir. A ciência é a melhor aliada em nossa missão. Munidos da mais elevada autocrítica, auxiliados pelo fazer metódico e metodológico característico desse saber, sejamos nós mesmos nossos maiores críticos. Ao aliar diferentes esferas do debate público, chegaremos ao propósito de trilhar um caminho mais direto na promoção do bem comum.

         Reconhecemos o mesmo valor entre todas as áreas do conhecimento e também de outros saberes e expressões humanas. Democratizar as ciências significa popularizar as ciências, torná-las de domínio público, compreensíveis e tema rotineiro de qualquer brasileiro; é colocá-la a serviço do desenvolvimento de políticas públicas em defesa da vida e do bem viver.

O Instituto Mário Schenberg resgata a memória e realizações do físico e crítico de arte, cuja percepção integrava as ciências e as artes ao cotidiano social, uma única e indivisível construção humana. O fenômeno da vida é o mesmo, sua análise, observação e expressão integram o próprio fenômeno, que não reconhece hierarquia de valores entre todos os seus aspectos integrados.

 

 

 

 




Não gosto muito de separar as coisas da vida. Acho que tudo é uma coisa só. A vida não se separa em ciência, em atividade política, em atividade filosófica, ou outras coisas. A vida é uma coisa só, naturalmente toda marcada pela personalidade da pessoa. Cada pessoa tem sua personalidade que se manifesta em tudo que faz. Eu tenho a tendência a ter uma personalidade intuitiva.

Mário Schenberg

assinam:

Ana Beatriz Ramos de Oliveira, Bióloga

Ana Clara Guerrini Schenberg, Bióloga, Professora Universitária

Ana de Medeiros Arnt, Professora Universitária

Augusto Damineli Neto, Astrônomo

Carolina Rettondini Laurini, Bióloga

Cibele Maria Garcia de Aguiar Pereira , Jornalista

Claudio Maierovitch Pessanha Henriques, Médico

Daniel Santa Cruz Damineli, Cientista

Daniela Tathiana Soltys, Bióloga

Edla de Azevedo Herculano, Docente

Fernando Kokubun, Professor Universitário

Fernanda Pardini Ricci, Bióloga, educadora, editora

Flávia Marques Ferrari, Bióloga e educadora

Gustavo Burin Ferreira, Biólogo

Isaac Negretto Schrarstzhaupt, Cientista de Dados e Pesquisador

Jamal M.  A.  H. Suleiman, Médico

Julio de Carvalho Ponce, Perito Criminal

Larissa Brussa Reis , Biotecnologista, doutora em Genética e Biologia Molecular

Laura Segovia Tercic, Bióloga e Jornalista

Leonardo Freitas Sacramento , Professor, pedagogo e pesquisador.

Leonardo Rovatti de Oliveira , Biólogo

Letícia Sarturi Pereira, Professora universitária

Lucas Aidar Rosa, Geógrafo

Luciana da C. Farias Santana, Docente

Luís Felipe Tuon, Biólogo/Educador

Marcelo Alves de Souza Bragatte, Pesquisador

Marcelo Eduardo Borges, Biólogo

Marcelo Tomé Kubo, Arquiteto

Maria Amelia de Sousa Mascena Veras, Médica e professora universitária

Marina Fontolan, Pesquisadore

Mellanie Fontes Dutra da Silva , Biomédica

Monica Baumgarten de Bolle, Economista

Pedro Henrique Souza de Medeiros, Biólogo/Farmacêutico-Bioquímico

Rafael da Silva Cruz, Biólogo

Rafael Lopes Paixão da Silva, Físico

Rafael Vitame Kauano, Biólogo, docente universitário e divulgador científico

Renan Vinícius de Araújo, Farmacêutico

Roberto André Kraenkel, Físico

Rute Maria Gonçalves de Andrade, Bióloga

Wasim Aluísio Prates Syed, Farmacêutico

Acreditamos que a ciência é a melhor aliada na luta por um mundo melhor, mais justo e sustentável. Por isso, nosso objetivo é democratizá-la, tornando-a de domínio público e parte do cotidiano de todos os brasileiros. Queremos colocar a ciência a serviço do desenvolvimento de políticas públicas em defesa da vida e do bem-estar da sociedade, sempre com um olhar crítico e uma atitude comprometida com a transformação social.

Nossa visão é inspiradora e transformadora: a ciência como ferramenta poderosa para impulsionar o desenvolvimento humano sustentável, com projetos científicos acessíveis e compreensíveis pela população. Queremos atuar ativamente nos processos de análise e proposição para enfrentar temas cruciais para a sociedade e a cultura do Brasil, desde as mudanças climáticas até a prevenção de doenças e pandemias.

Juntos, podemos desenvolver ciência acessível para uma sociedade mais justa.

Pular para o conteúdo