relatórios

Centro de Pesquisas em Ciência de Dados

Centro de Pesquisas em Ciência de Dados

Projeto dos membros do Instituto Mario Schenberg para compartilhamento de dados e conhecimento sobre o tema!

Relatório Semanal #21

Período AVALIADO

RELATÓRIO SEMANAL: de 08-04-2024 a 15-04-2024

Volume coletado

Posts: 52.525(queda de 7,60% em relação a semana anterior)

Usuários: 36.705(queda de 7,51% em relação a semana anterior)

Retweets: 81.334(queda de 42,29% em relação a semana anterior)

Resumo:

  1. Apontamento principal: A estratégia adotada pela comunicação do Ministério da Saúde, no X (ex-twitter), não foi capaz de influenciar o debate sobre os principais temas relacionados à saúde pública debatidos naquela rede social;
    1. Foi detectada forte reorganização dos ataques ao governo e às políticas públicas para saúde promovidas por este. Foram 806 postagens (1,53% do material coletado) que mencionaram exatamente os mesmos perfis, na mesma ordem (@LulaOficial, @ricardostuckert, @JanjaLula @nisia_trindade, @Pimenta13Br). Foram detectadas ainda 1.482 mensagens com variações da mesma mensagem(excluindo algum dos perfis mencionados na mensagem completa, ou mudando a ordem, mas mantendo ao menos dois perfis), o que totaliza 2,82% das mensagens coletadas seguindo o mesmo padrão discursivo.
    2. O padrão de ataque apresenta narrativa simples, voltada ao questionamento. Ao invés do uso de termos negativos para classificar as políticas do governo, se questiona o problema, em especial a situação da dengue no país. A movimentação detectada parece alinhada com a estratégia apontada pelo Twitter Files: apresentar a oposição ao governo como ‘questionadora’, e não como simplesmente hostil.
    3. A preocupação orgânica com a dengue continua alta, e expressou parte significativa do material coletado. Cerca de 5% do material coletado pode ser classificado como pessoas comunicando que pegaram dengue.
  2. Vacina: O termo ‘vacina’ representou 25,84% do material coletado, o que expressa uma queda de 2,15 pontos percentuais em relação à semana anterior;
    1. Após um aumento nas menções sobre vacina entre os dias 08/04 e 10/04, verificou-se queda e estabilidade em patamar inferior. No entanto, o patamar atingido foi de picos entre 100 e 150 menções hora, o que é o patamar histórico observado, indicando a manutenção da importância relativa do tema ‘vacina’;
    2. Não há indício significativo de impacto de postagens automatizadas ou programadas no debate sobre vacinas, mas há indícios de ataque coordenado contra o ministério da saúde e outros componentes do governo;
    3. O debate sobre vacinas, quando dividido em três grupos léxicos, se caracteriza por uma grupo (a) que mencionou a importância ou intenção de tomar vacinas, seja contra gripe ou covid; um grupo (b) que debateu as vacinas contra covid e dengue, associando o debate ao atual presidente; e um grupo (c) que mencionou as vacinas para cobrar e acusar diferentes membros do atual governo pela ausência de vacinas contra dengue;
      1. Observou-se grande volume de mensagens repetidas, parecidas, ou idênticas, entre usuários distintos para questionar a falta de vacina contra dengue. A estratégia foi mencionar os perfis @LulaOficial, @ricardostuckert, @JanjaLula @nisia_trindade, @Pimenta13Br, nessa exata ordem, e em seguida perguntar sobre a dengue. A estratégia de coordenação foi cada usuário realizar o questionamento poucas vezes.
  3. Covid: O termo ‘covid’ representou 20,39% de todo material coletado, expressando queda de 2,29 pontos percentuais em relação a semana anterior.
    1. A queda da participação das menções se explica por um patamar estável relativamente mais baixo nas menções hora em comparação a semana anterior.
    2. Há indício de presença de postagem automatizada ou programada no debate sobre covid. Também se verificou padrão de militância sobre o tema Covid, com contas que intercederam muitas vezes sobre o tema.
    3. O debate sobre covid, ao ser dividido em três grupos léxicos, pode ser descrito pela existência de um grupo (a) que mencionou a pandemia de covid de 2020 e criticou o papel do presidente Jair Bolsonaro na mesma; um grupo (b) que mencionou a pandemia de covid para a comparar com o quadro atual da crise de dengue, seja para criticar ou defender o atual governo; e um grupo (c) que mencionou a covid para realizar cobranças ao atual governo sobre vacinas contra covid;
      1. Houve padrão de militância por parte dos apoiadores e dos críticos a atuação do presente governo no combate a Covid. Dentre aqueles que questionaram o governo, 133 mensagens a mencionar Covid foram oriundas de apenas três usuários, por exemplo.
  4. Dengue: O termo dengue representou 60,16% do material coletado. Trata-se de ampliação de 4,50 pontos percentuais, em relação a semana anterior;
    1. A ampliação se explica pela notícia que o Brasil bateu recorde histórico no volume de mortos por dengue no dia 08/04. Essa notícia serviu gancho para usuários criticarem a política do governo para o combate a dengue. Após o pico de menções no dia 08/04, as menções hora voltaram a patamar próximo ao observado na semana anterior;
    2. Há indício de participação significativa de postagens automatizadas ou programadas no debate sobre dengue. Há sinais de ação coordenada na cobrança por vacinas contra dengue;
    3. Ao dividir as menções sobre dengue em três grupos léxicos, observam-se os seguintes grupos: (a) um grupo que expressa preocupação com os sintomas da dengue; (b) um grupo que debateu a atuação do governo Lula (no geral) no combate e prevenção a dengue; e (c) um grupo que se dedicou a atacar agentes ou instituições chaves do governo para criticar a atuação contra a dengue.
      1. Foram localizadas 546 postagens que iniciaram mencionando @LulaOficial, @ricardostuckert, @JanjaLula, @nisia_trindade, @Pimenta13Br, e em seguida questionaram algo em relação a dengue, sendo as mensagens mais comuns: ‘e a dengue?’ e ‘cade a vacina da dengue?’
Relatórios para conhecer em profundidade o debate público, identificar os temas e argumentos do debate, bem como saber quem são os principais influenciadores e personagens do debate vacinal.

Compartilhe

MAIS EM CPCD

Pular para o conteúdo