relatórios

Centro de Pesquisas em Ciência de Dados

Centro de Pesquisas em Ciência de Dados

Projeto dos membros do Instituto Mario Schenberg para compartilhamento de dados e conhecimento sobre o tema!

Relatório Semanal #20

Período AVALIADO

RELATÓRIO SEMANAL: de 01-04-2024 a 08-04-2024

Volume coletado

Posts: 56.843 (aumento de 8,28% em relação a semana anterior)

Usuários: 39.685 (aumento de 9,24% em relação a semana anterior)

Retweets: 140.944 (aumento de 7,03% em relação a semana anterior)

Resumo:

  1. Apontamento principal: A atuação ativa do perfil do Ministério da Saúde voltou a cair, e não foi detectado qualquer impacto do mesmo ou de suas campanhas no debate sobre vacinas, Covid, ou Dengue;
    1. A atuação militante de pessoas contra as políticas públicas de saúde do atual governo se concentrou em torno dos termos Covid e Vacina. Foram detectadas menções a atuação do STF no combate a desinformação durante a pandemia de Covid;
      1. Trata-se de provável impacto do chamado “Twitter Files”, que é uma série de mensagens trocadas entre funcionários do X (ex-Twitter) demonstrando descontentamento com as solicitações, por parte do STF, de informação e bloqueio de usuários acusados de espalhar desinformação ou discurso de ódio nos últimos anos;
    2. Há aparente padrão de reorganização dos recursos discursivos na difusão de desinformação sobre questões relacionadas a saúde pública;
      1. O novo padrão tem indícios de se concentrar na crítica a possível censura e perseguição em resposta a críticas diretas à desinformação. É possível que esse padrão se estenda para o debate das atuais políticas de saúde pública;
    3. Há um processo orgânico de ampliação da preocupação da população com a dengue;
  2. Vacina: O termo vacina representou 27,99% do total do material coletado no X (ex-Twitter), o que expressa um crescimento relativo de 0,99 pontos percentuais em relação a participação no material coletado na semana anterior;
    1. A alta observada nas menções podem ser explicadas pela reportagem veiculada no programa Fantástico, que mencionou vacinas contra HPV. A partir de então, se observou tendência de queda nas menções à vacina, com exceção de um pequeno pico no dia 04/04, como possível resultado da divulgação do Twitter Files;
    2. Há indício de participação de postagens automatizadas ou programadas no debate sobre as vacinas;
    3. O debate sobre as vacinas se deu entre pequenas comunidades, mas com interação ativa entre os usuários. Cerca de 12,26% dos usuários que mencionaram vacina interagiram no mínimo duas vezes com outro usuários, no debate, com reciprocidade significativa nas trocas;
    4. O debate sobre as vacinas pode ser dividido entre três grandes grupos, de acordo com o padrão linguístico presente nas postagens. Um grupo (a) que debateu a importância ou a intenção de tomar vacina contra gripe, covid, ou HPV; um grupo (b) que debateu a resistência em tomar as vacinas (seja para criticar ou apoiar essa hesitação vacinal); e um grupo (c) que se dedicou a criticar o Ministério da Saúde e o Governo Lula na gestão da crise da dengue e sua dificuldade em fornecer vacinas;
      1. Houve padrão de automação ou militância ativa (postagens repetidas, excesso de postagens realizadas aos zero segundos de cada minuto) tanto em perfis contrários à vacinação como aqueles que debateram a vacinação para defender o atual governo. O padrão das postagens dos contrários à vacinação foi de dispersão da atuação em perfis distintos, enquanto o padrão dos favoráveis às políticas de imunização do atual governo foi de concentração da atuação em perfis chaves;
  3. Covid: O termo Covid representou 22,68% de todo material coletado, expressando aumento relativo de 0,8 pontos percentuais em relação a semana anterior.
    1. A alta do termo Covid pode ser explicada por uma média de menções acima do esperado a partir do dia 04/04. A divulgação do “twitter files”, no dia anterior, serviu como gatilho para reabertura do debate sobre o papel do movimento antivacinal, comumente também ligado a perfis defensores do presidente Bolsonaro, na crise sanitária de 2020. Também, nessa semana, a venda de álcool 70, que havia sido liberada como parte da política de combate à Covid, foi proibida. Esses dois acontecimentos contribuíram para a alta de menções;
    2. Não foi detectado indício de impacto significativo de postagens automatizadas ou programadas no debate sobre Covid;
    3. O debate sobre Covid se deu em pequenas comunidades, mas de forma assimétrica. Houve tendência de pouca interação entre os usuários. Também se verificou grande volume de comentários de usuários em contas de jornais ou contas oficiais;
    4. O debate sobre a Covid pode ser dividido em três grupos. Um grupo (a) que debateu os sintomas da Covid em comparação com a Dengue e gripe; um grupo (b) que mencionou a covid ao debater o papel de Jair Bolsonaro durante a pandemia; e (c) um grupo que permeou o debate sobre o papel de Bolsonaro, comparando com a atuação do atual governo (realizando críticas ou defesas);
      1. Há padrão de militância e automação de postagem tanto entre aqueles que, ao mencionar a Covid, adotaram política antivacinal quanto aqueles que adotaram postura pró-vacinal;
  4. Dengue: O termo dengue representou 55,66% do termo coletado, expressando queda de 0,9 pontos percentuais em relação a semana anterior;
    1. Houve tendência de alta de menções a dengue até o dia 05, com tendência de queda a partir de então;
    2. Foi detectado indício de impacto relevante de postagens automatizadas ou programadas no debate sobre dengue;
    3. O debate sobre a dengue, no twitter, se deu em extrema assimetria. Apenas cerca de 5,31% dos usuários interagiram duas ou mais vezes com outros ao mencionar a dengue.
    4. As postagens sobre a dengue podem ser divididas em três grandes grupos: um (a) pequeno grupo que criticou as medidas do governo Lula no combate a dengue; um grupo (b) que expressou preocupação sincera com o espalhamento da dengue e a possibilidade de contaminação; e um grupo (c) que expressou preocupação direta em ter pego dengue;
      1. Parte significativa das postagens automatizadas no debate sobre dengue foi de perfis oficiais de secretarias da saúde dos estados ou municípios do país, e de perfis de jornais. Não foi detectada atuação militante significativa neste debate.
Relatórios para conhecer em profundidade o debate público, identificar os temas e argumentos do debate, bem como saber quem são os principais influenciadores e personagens do debate vacinal.

Compartilhe

MAIS EM CPCD

Pular para o conteúdo